Antes de içar a lâmina, o algoz suplica ao condenado: "Você me perdoa?"

I want you for U.S. Army

sábado, 10 de novembro de 2012

Rio de Janeiro

Meus amigos, 

Busquemos os interstícios subterrâneos da capital carioca. 


Rio de Janeiro


Uma síntese para a (sobre)vivência do lumpesinato brasileiro


Dedos em riste


Óculos de sol recém-furtados: no Rio, olhos como frestas


O filho acompanha o trabalho do pai na agência de publicidade:
"Papai, papai, que foto é essa? Que são esses pontinhos bagunçados lá no morro?"
O pai, publicitário diligente, explica sem explicar a eugenia social para o filho:
"Não se preocupe, Ricardinho, o Photoshop logo vai eliminar o que por si só não deveria respirar"


A viandante


Ensimesmada


Slash, o Valderrama do Guns 'n' Roses, esteve aqui
(Para os incrédulos, a prova material logo virá)


A pedido de Drummond, a bela captura (d)o soslaio


 Quem diria que ombros exíguos e tênues suportariam o sentimento do mundo?


Dura lex, sed lex


Espólio de D. João VI


 Esfinge liquefeita


"Ora, pois, eu bem enfrentei as tropas napoleônicas!"
(Vocês já conheceram melhor tática militar do que a fuga Atlântico afora? No mais, Portugal que se transforme no Porto de Gales ao fim e ao cabo...)


Sentinelas


Mimetismo


Se Oswald fosse carioca, talvez dissesse se tratar de uma releitura antropofágica do Parthenon


Where the rainbow ends


Sentinelas


Chá


Vestígios do vento


Tom sobre tom


Eis a amarelinha de Julio Cortázar!


Eros


Minha nuca se ajoelha


Será que o estalido da relva roxa ao toque dos pés nus é diferente?


Da esfinge e sua piedade:
"Decifra-me enquanto te devoro"


Todo encontro marcado é casual


Escombros do Rio de outrora


Lapa


Santa Teresa


Eva, Maria Madalena, Pandora e Emma Bovary


Paleta


Porque o Rio de Janeiro faz maio de 68 usar biquíni



De acordo com a segunda lei de Sir Isaac Newton, não pode haver um vencedor em uma luta de boxe 
(A mão que golpeia o rosto é também por ele golpeada)
Se considerarmos que os pugilistas em questão são baluartes do pós-modernismo, a contenda sintetizará o cinismo de nossa época para aqueles que há muito abriram mão da transformação da totalidade social


Neblina induzida


Solo fugaz


"Você bem sabe que não consegue esconder nada de mim..."


Para meu irmão Dmitri Cerboncini Fernandes


Dedilhando


Sleep with one eye open


O terceiro vértice da fraternidade convida este estoriador do Subsolo


Se Esopo fosse carioca, assim sintetizaria a fábula do bom e velho malandro


À direita, olhar semicerrado


Queria aquela varanda para escrever


Montaigne já dissera: 
"Há menos diferença entre mim e um outro que entre mim e eu mesmo; 
eu agora e eu depois somos, a bem dizer, dois"


Ao rés-do-teto


Ponte tangível


Ponte etérea


Maquete




Enclave chamuscado


Recordações da Casa dos Mortos


Fellini


Minha nuca se ajoelha


Rapunzel carioca


Para minha querida amiga Andreia Rocha de Vasconcellos


Porque Santa Tereza prenuncia a Lapa


Nietzsche bem sabia que a transvaloração dos valores precisava do super-homem que só faria esquecer
Mas o homem é antes de tudo um animal que se lembra; ou pior, o homem é antes de tudo um animal que não esquece


O reverso do sorriso


Caridade à brasileira


 Por que será que o paulista se ressente em relação ao carioca?


Ready-made tropicalista


Carta-testamento


Onde supostamente dorme a primeira edição de "Os Lusíadas"


Eu não disse que o Valderrama tocaria no Rio?


Fronteira do Leblon


Fronteira lábil
 

7 comentários:

  1. Adorei todas as fotos! Em especial a esfinge liquefeita e a do Fellini, que por um acaso adoro Fellini e gatos...rs
    Nossa é icrível como criamos alguns pré-conceitos de lugares e pessoas, e quando visitamos por um motivo ou outro, acabamos por mudar a visão e criar novos conceitos.
    Realmente as fotos que tirastes são lindas!

    Abçs
    Ana

    ResponderExcluir
  2. Emocionante ver o Rio por sua objetiva. Enxerguei coisas que, sozinha, ainda não enxergara.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Mas que ótica singular sobre o Rio, hein, Flávio?
    Ainda bem que olhares inquietantes são subjetivos...
    abraço.

    Eva Seiberlich.

    ResponderExcluir
  4. Poxa, eu, que viajo sempre para o Rio, gostei muito do seu olhar.

    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Belíssimas fotos!
    Adorei o "Mimetismo",

    beijo,
    Flávia

    ResponderExcluir
  6. Você riu? Eu Rio.

    Abraços, meu irmão.

    ResponderExcluir
  7. EU QUE ADORO O RIO(o lado bom).. ah se tudo isso fosse realmente um paraíso....tem tudo para ser.

    ResponderExcluir