Antes de içar a lâmina, o algoz suplica ao condenado: "Você me perdoa?"

I want you for U.S. Army

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Varsóvia e Cracóvia I

Meus amigos,

Semana passada, o Subsolo das Memórias iniciou seu transcurso pelo território polonês. Conhecemos as aventuras e os trambiques do Cadu lá em Varsóvia. (Aqui vai o link para relembrarmos: http://subsolodasmemorias.blogspot.com/2012/01/cadu.html).

Esta semana, continuaremos a explorar a Polônia, mas agora por meio das fotonarrativas que as cidades de Varsóvia e Cracóvia nos puderem trazer.

Varsóvia será capturada só de passagem. (A onipresente Casa de Stálin sugere que a captura tem outro sujeito que não o fotógrafo em questão...)

Cracóvia, a umas 4 horas e meia de Varsóvia, seria apenas uma passagem. De lá eu tomaria o trem para Auschwitz. Mas agora vocês verão por que eu insisti em permanecer na medieval Cracóvia.


Varsóvia e Cracóvia I


Varsóvia


Quem é que está à venda?


Devastada pela guerra, Varsóvia tomou ares funcionais - e paulistanos
(São Paulo não precisou de uma guerra para ficar horrorosa, a não ser que consideremos nossa guerra autóctone, o escarrar dos assim socializados semi-humanos para as palafitas periféricas)



Ei, mocinha: eu te "conheço" de outros carnavais, não "conheço"?
(Bom, ao menos gostaria... :-)


Quando formos a Moscou, reveremos a onipresença de tais prédios
não à toa apelidados de Casa de Stálin


GM, Volks, Ford e Fiat, por favor, respondam-nos: por que a Europa tem metrô desde o início do século XX (quiçá desde o fim do século XIX) e São Paulo ainda engatinha por parcos quilômetros?


O funcionário que me vendeu a passagem para Auschwitz estava, digamos, algo ébrio
(Bem-vindo ao Leste Europeu)


!


"No primeiro plano, vocês vêem a arquitetura atávica da aristocracia; no segundo plano, bem, o que há de mais moderno e funcional em termos da vida burocrática"


Já bateu continência hoje?


Metonímia do desejo


Dá pra sentir agora o tamanho da encrenca?


Cracóvia


Aqui estamos mais à vontade, não?


Brevíssimo compêndio das cicatrizes estalinistas
"Sempre que vejo janelas cerradas e sobrelevadas, me sinto vigiado por sobre os ombros"


Aqui, sim, vale aplicar a Lei Cidade Limpa ;-)


Cracóvia, diferentemente da belíssima Praga, não é sisuda


Minha nuca se ajoelha


Chamuscado e recém-inaugurado


O inverno e a nudez


Dedo em riste para o céu


Feche os olhos - você vai ouvir o farfalhar úmido das pombas pela neve


A isso é que chamamos de tirar leite de pedra
Alinhar ao centro

A neve pressupõe o silêncio


Beduíno


"Ah, se Hitler e Stálin tivessem invadido nossa terra no Medievo! Queria só ver se eles conseguiriam suplantar o meu fosso cheio de jacarés congelados!"


Pensemos: ainda que se trate da mesma vida administrada de forma alheia das 8h às 20h, faz ou não diferença sair do caixão do escritório e se deparar com um sorriso assim?
(O leitor/espectador perspicaz talvez dissesse: e se o escritório assassinou de todo o ímpeto, ver um sorriso assim não acaba se revertendo em masoquismo?)


Orgias palacianas


O céu e as mediações


Cracóvia lúdica


"Ei, Maria!"
"Que foi, Judas?"
"Teu filho ainda vai demorar muito pra morrer?"


Quando a cruz desce à terra, nós sabemos quem e o que ela acaba velando, não?


Não se preocupe, Nazareno...


... somos todos filhos da mesma orfandade


Tenho certeza de que vi alguém na quinta janela à esquerda - ou teria sido à direita?


Jejum



Dá até vontade de rezar :-)


Cracóvia pálida


A minha vó diria:
"A mesma hora de ontem, não se preocupe"


Pensamentos de um dos Três Reis Magos:
"Será que Ele vai se lembrar de que minha capacidade administrativa é sem igual para a abóbada celeste? Poxa, eu caprichei no presente..."


Cracóvia um pouco mais austera
(Não tanto a ponto de envergar o terno presidiário)


Liga o afogador!


My name is capitalism:
Yeah, do open your mind and be ready for other openings as well...


Alguém precisa de um ombro latino?


EIS a definição feminina do soslaio!


Quem conhece a minha irmã pode confirmar:
"Lari, é você?"


Que tal esta rua sem saída?


Where the rainbow ends


Zona Azul, sempre com você


Anti-maio de 68
É proibido permitir


"Alguém já brincou de escorrega naquele teto, papai, eu tenho certeza!"


Não diga que eu não previ a sua morte, hein?


Tá vendo? Já sei que você até mesmo pagará o dízimo antes de deixar de existir


A arquitetura, em seu silêncio, cala os gritos extenuados
(Alguém se preocupa em trazer à tona o cansaço e o torpor daqueles que, de costas vergadas, empilharam um a um os tijolos da fé? Ora, "vós sois meros Pedros, e sobre as pedras de vossos corpos soerguerei o meu Reino. Cumpra-se"


A neve até pressupõe o silêncio, mas a boca se abre e desenha o sorriso ao ver a barricada das cores


Petição ao prefeito de Cracóvia:
fiação elétrica subterrânea, por favor!


Cheguei a ligar para o zelador - havia uma placa de aluga-se
Prática comum no inadimplente Leste Europeu: depósito-caução de 8 meses


Minha nuca se ajoelha


Bom, se é possível neutralizar essa beleza por conta da vida administrada, que dizer dos paulistanos que nunca conviveremos cotidianamente com ela?


Esperar o trem de rua a -25ºC


Paleta


Cairás aqui


Faltou o apóstolo Judas, podem contar:


Não é?


Se o belo eclesiástico fosse um princípio efetivo de socialização para todos - contra a indústria cultural de massas, claro -, a herança benéfica do cristianismo seria redimida


Plano urbano celestial


Austero em demasia


Se não houvesse a possibilidade de infração, a lei não seria necessária
(Não é mesmo, Brasil?)


Sentinela


Os prédios hirtos e intermináveis de São Paulo via de regra impedem que nos deparemos com esquinas convidativas


Cracóvia taciturna


Paleta


O céu resiste à melancolia, vejam só


E pensar que, outro dia, ouvi o Datena criticando a "suma beleza" da Ponte Estaiada porque ela não apresentava utilidade alguma aos espoliados de São Paulo
(E ainda dizem que só há lixo na tradição aristocrática, hein?)


A foto justapõe a história
(Que será que diriam os nobres a respeito dos carros? Será que diriam que, via de regra, há menos espaço para a fornicação durante os passeios? Bom, ao menos sacoleja menos, não é?)


Vielas estreitas chegam a oprimir os ombros


Esses tijolinhos bizantinos só por lá mesmo - quando formos a Moscou, veremos a matriz do Kremlin a exportar seu estilo para os Estados Satélites


"Se minha mãe assistiu à minha crucificação, por que é que eu não posso velá-la?"


Vamos?


Vodka em um café bar
(Bem-vindo ao Leste Europeu)


Ela sabe que logo iremos a Auschwitz...
(Quem acompanha o Subsolo das Memórias desde o seu início em 2009 sabe que essa foto já fez as vezes de anfitriã - lembrados?)


Viela convidativa?


Lei Cidade Limpa, por favor!


Um pátio religioso - o silêncio sempiterno faz as vezes do mistério


Teu filho teve menos sorte, Maria, a coroa do Nazareno era de espinhos


Agora eu entendo por que alguns clérigos defendem o celibato...


"Pôncio Pilatos pode ficar tranqüilo, meu Reino não é deste mundo"
(Sendo assim, estão totalmente legitimados o choro e o ranger de dentes)
"Atesto e dou fé: todos os caminhos levam a Roma"


Calvície medieval


Até que enfim uma placa vem para dizer algo que é permitido
(Será?)


No canto inferior direito desta foto, descoberta inusitada:
300g de KRIPTONITA


"Chopin virá. Você vem?"


Seria possível saber qual prédio teve o toque do estalinismo?


Cracóvia deveria ser apenas uma passagem até Auschwitz, mas agora vocês já sabem por que eu insisti em ficar por aqui


!


O Tião, lá da cidade do interiorrr paulista onde eu tenho parentes, Quintana, já dissera:
"o coreto é a alma da cidade"
Só não sabia que o Tião era tão universal assim


Triângulos escaleno, isósceles e equilátero, desnecessariamente nessa ordem


Deve sorrir bem mais no verão, não é mesmo?


Orgias palacianas sob a austeridade creme


De um administrador de empresas paulistano que encontrei momentos antes de tirar essa foto:
"Poxa, custava dar uma garibada no sopé dessa torre?"
(Mero detalhe o fato de ela ser tombada e ter ao redor de 1000 anos)


Minha nuca se ajoelha


!


Meios...


... com vista a fins

6 comentários:

  1. Hahaahaha, e não é que parece mesmo!!! Só me falta todo esse estilo fotográfico da polaquinha.
    Adorei as fotos. Lindas e de bom gosto. Beijos, Lari.

    ResponderExcluir
  2. PARTE I

    Flávio, bom dia, vc, não vai acreditar!! 02 hs após vc. ter-me enviado o teu “lance” de Cracóvia, veja o que recebi.

    Abs. Ralph Peter

    Cracóvia
    Polônia

    Envio, anexo, a apresentação de slides sobre a linda e hospitaleira cidade de "Cracóvia", na Polônia. Ao dar início, deixe os slides sucederem automaticamente, pois as músicas de fundo estão sincronizadas com as imagens. Importante: Um fato pitoresco e peculiar de Cracóvia é o que acontece na Igreja Maryacki, no centro da cidade. De hora em hora, ao invés de bater os sinos das horas, um músico sai em uma de suas janelinhas, lá no alto, e toca uma música com solo de Clarim. Quanto ao toque de clarim, chamado na Polônia de Hejnal Mariacki (alerta de Mariacki), conta a lenda (história oral), que, em certa madrugada, tendo o guarda da muralha da cidade de Cracóvia percebido o ataque dos tártaros, iniciou o alerta aos habitantes e soldados da cidade, tocando o Hejnal, mas foi interrompido ao ser atingido por uma flecha inimiga e morrendo. Por isso, o toque termina bruscamente. Na Torre da Igreja de Maria (Kosciol Mariacki), em Cracóvia, diariamente, em todas as 24 horas cheias, um soldado bombeiro, toca 4 vezes o Hejnal, uma vez para cada posição cardeal (Norte, Sul, Leste, Oeste). É maravilhoso. A multidão se aglomera em todas as horas certas (1, 2, 3, 4....) para ouvir seus 40 segundos de apresentação. Eu consegui gravar essa melodia e inclui dentro do documentário anexo. É arrepiante. Confesso que Cracóvia não estava nos planos de viagem. Depois de visitá-la e conhecer um pouquinho da sua história, do seu encanto, da beleza de sua arquitetura, e, principalmente, da simpatia e hospitalidade do seu povo, fiquei impressionado e penso um dia voltar à Polônia para explorar mais suas cidades, seus vilarejos. É beleza para todo canto. Depois de percorrer muitos km por regiões polonesas, cruzando o país de norte a sul, por suas belas rodovias, ficou a certeza de que teremos a motivação para voltarmos à Polônia, quando possível. De imediato, surpreende o conjunto da vida em comunidade, ocupando quase todo o espaço geográfico com pequenas cidades. São aproximadamente 3.000 cidades, sendo 300 delas as maiores, alicerçadas, em sua maioria, na exuberante agricultura, que dá o tom verde a toda paisagem. A preocupação com o meio ambiente, aliás, retrocede a décadas. A história da Polônia, por si só, explicita a grandiosidade de seu povo. Após anos de sofrimento e de dominação, e mesmo de um período em que foi excluída do rol das nações, este país soube reerguer-se, mantendo os valores que agregaram os poloneses durante séculos, ou seja, a língua e a sua religiosidade, sendo que 97% da população é fervorosamente católica. Hoje a visibilidade de seu desenvolvimento econômico está por toda parte, nas modernas estradas, em suas indústrias, na renovação de sua frota de veículos, nos prédios espelhados de suas grandes cidades, nas casas quase padronizadas por todo horizonte, de estilo germânico, lindas. A antiguidade e a modernidade convivem pacificamente neste país, por certo, cansado de lutar por causas ditadas por interesses que, muitas vezes, não os do seu povo. A recente entrada na Comunidade Européia e os 70 bilhões de Euros dos fundos estruturais haverão de impulsionar a garra deste povo que não teme desafios. Povo alegre, educado, receptivo, sempre com um sorriso nos olhos azuis (em sua grande maioria), para lhe receber, junto ao qual Frederic Chopin, quis depositar seu coração, depois de morto, guardado no altar da Catedral de Varsóvia.

    ResponderExcluir
  3. PARTE II

    Não há como não destacar a relevante importância da educação, toda ela pública, com aplicação de 40% dos recursos, somente a nível municipal. Em todos os contatos com autoridades e lideranças políticas, quer do legislativo ou executivo, sempre está presente professores e diretores de escolas. O custo de vida em Cracóvia equipara-se ao nosso no Brasil, e digo mais, às vezes até mais em conta que nossos preços. Hoje a capital da Polônia é Varsóvia, porém, Cracóvia (antiga capital), é a que mais recebe turistas. É a mais bela cidade do leste europeu. Realmente um encanto de cidade. O inverno chega intenso à Polônia a partir de novembro e vai até março. O período ideal para visitá-la é de junho até setembro de cada ano. Cracóvia é uma cidade muito limpa, segura, tranquila. Os bares, restaurantes param de funcionar perto da meia noite, e tudo adormece, não se vê nem carros nas ruas depois da meia noite. Ela tem uma atividade cultural intensa, como a maioria das cidades do leste europeu, tanto na arte, como na música. É a cidade mais simpática do leste, pelo menos na minha avaliação pelo que senti no tratamento pessoal. Deixei de visitar as Minas de Sal em Cracóvia, pecado que não se deve cometer. Lá tem uma catedral subterrânea, em meio às minas de sal e um hospital para doenças respiratórias, que é referência mundial. Enfim, a Polônia exterioriza um modelo de vida que tem muito a gratificar quem o vivencia, bem como a ensinar a todos nós. Se Cracóvia e a Polônia não estavam nos seus planos, pode parar para pensar e rever essa posição, pois você terá uma grata surpresa. Esta apresentação está, orgulhosamente, inserida no site www.cekaw.org do CEKAW – Centro de Estudos Polono-Brasileiros Karol Wojtyla. As músicas inseridas nesta apresentação, são: - Greco - com a Orquestra de Ernesto Cortazar - Música do Clarim que toca no alto da Torre da Igreja - som local - The Second Waltz - com a Orquestra de André Rieu (ao vivo) Nota: Estamos com viagem para o Leste Europeu, incluindo visita à cidade de Cracóvia, na Polônia, prevista para o mes de setembro de 2012. Participe você também. Clique aqui para conhecer o programa desta viagem. Abra o arquivo anexo e deixe os slides rodarem automaticamente. Um grande abraço para você. Edison Piazza - Piracicaba

    ResponderExcluir
  4. Oi, Flávio,
    Tudo bem com você?

    Adorei acompanhar as suas fotonarrativas!

    Amanhã irei a Campinas.

    Então, na volta, combinamos para eu te entregar meu livro.

    Um beijo, até,
    Ieda.

    ResponderExcluir
  5. Flávio,

    obrigada pela mensagem, vou ver com calma.
    Estou pesquisando Shakespeare e lendo e relendo Romeu e Julieta.
    Está sabendo que a partir do dia 14/Jan e SESC Belenzinho vai apresentar uma boa programação sobre Shakespeare e suas obras? Inclusive uma montagem de R&J, com quatro atores.

    Feliz 2012!!!
    Abraços,
    Esmeralda

    ResponderExcluir
  6. As fotonarrativas ficaram ótimas! Parabéns pela criatividade e ousadia!

    Abs. Wilson

    ResponderExcluir