Antes de içar a lâmina, o algoz suplica ao condenado: "Você me perdoa?"

I want you for U.S. Army

domingo, 30 de maio de 2010

Curriculum mortis


Meus amigos,

Há pouco mais de um mês, em uma aula sobre a crise do romance - i.e., a crise para a integração da vida para além de nossos fragmentos desconexos e danificados -, o Professor Jorge de Almeida fez referência à estruturação do curriculum mortis.

Ao invés de mensurar (e enquadrar) nossos feitos com vistas à autopromoção insuflada, o curriculum mortis traz em seu bojo Das Negativas: a frustração da queda traz a contrapelo o desejo prostrado; rente ao despenhadeiro, o curriculum mortis traz à tona o que poderia ter sido, mas não fomos... O que não conseguimos fazer, o que não pudemos alcançar: aquilo que desejamos. Ainda que preterido, o futuro do pretérito.

Ser ou não ser?

Não, seria.

Não será.

Eis o trajeto (auto)analítico - a análise, a quebra, a ruptura - do filósofo Leandro Konder, idealizador do curriculum mortis a que Jorge de Almeida se referiu. Por sinal - e em tempo: vejam como principia o curriculum vitae de Leandro Konder:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Leandro_Konder.


Curriculum mortis


"A sociedade, modernizada, precisa de organização, eficiência. Para obter um emprego, para conseguir uma promoção, fazer carreira, o sujeito precisa exibir suas qualidades, ostentar seus êxitos. Já existem até manuais que ensinam o cidadão a preparar seu curriculum vitae. A trajetória ascensional de cada um depende dessa peça de literatura, que lembra as antigas epopéias, porque nelas o protagonista – o herói – só enfrenta as dificuldades para poder acumular vitórias. Os obstáculos servem apenas para realçar seu valor. O passado é reconstituído a partir de uma ótica descaradamente “triunfalista”.

Evidentemente, trata-se de uma imagem que não corresponde à realidade. Em sua imensa maioria os seres humanos não são campeões invictos, não são heróis ou semideuses. Se nos examinarmos com suficiente rigor e bastante franqueza, não poderemos deixar de constatar que somos todos marcados por graves derrotas e amargas frustrações. Vivemos uma vida precária e finita, nossas forças são limitadas, o medo e a insegurança nos freqüentam; e nada disso aparece no curriculum vitae de cada um de nós.

O curriculum vitae é a ponta do iceberg: ele é o elemento mais ostensivo de uma ideologia que nos envolve e nos educa nos princípios do mercado capitalista; é a expressão de uma ideologia que inculca nas nossas cabeças aquela “mentalidade de cavalo de corrida” a que se refere a escritora Dóris Lessing. Não devemos confessar o elevado coeficiente de fracasso de nossas existências, porque devemos ser “competitivos”. Camões, o genial Camões, autor de tantos poemas líricos maravilhosos, não poderia colocar em seu curriculum vitae o verso famoso: “Errei todo o discurso dos meus anos”.

A ideologia que se manifesta no curriculum vitae, afinal, aumenta as nossas tensões internas, porque nos dificulta a lucidez e a coragem de assumir o que efetivamente somos; nos obriga a vestir o uniforme do “super-homem”, a afetar superioridades artificiais. Além disso, ela incita à mentira, gera hipocrisia. Por sua monstruosa unilateralidade, a imagem do vitorioso, que ela nos obriga a exibir, empobrece o nosso conhecimento de nós mesmos, prejudica gravemente a sinceridade da nossa auto-análise.

É uma ideologia capaz de explorar tanto a burrice como a inteligência; capaz de influir tanto sobre as vaidades primitivas como sobre as culturas refinadas. Para os indivíduos intelectualizados, ela se reveste de máscaras altamente sofisticadas. No caso dos artistas, ela usa a mitologia da genialidade e induz freqüentemente a pessoa a se alimentar de ambições desmesuradas. No caso dos intelectuais em geral, ela se apóia nos mecanismos seletivos da carreira universitária, aproveita as exigências de “publicidade” que se tornaram tão fortes na vida moderna e instiga uns a se afirmarem contra os outros: diminui a simpatia espontânea pelos colegas, a disposição real para aprender com eles, e se fortalece a desconfiança, cresce o impulso no sentido de demonstrar sua própria competência através da denúncia da incompetência alheia.Claro que não teria sentido imaginarmos que o quadro deveria ser idílico e sonharmos com uma situação na qual os indivíduos jamais colidissem uns com os outros. Sabemos que as contradições nunca vão ser inteiramente suprimidas, que a existência delas é uma dimensão essencial da própria realidade. Sabemos também que o apreço por si mesmo é importante para todo ser humano: se não gostar de si mesma, nenhuma pessoa conseguirá gostar saudavelmente de outra; se não acreditar de fato em suas convicções, não conseguirá comunicá-las a outras pessoas, não conseguirá intervir no mundo, contribuindo para melhorá-lo. A partir de um determinado nível, contudo, a auto-estima fica sobrecarregada de narcisismo e acarreta uma atrofia conservadora da autocrítica.

Podemos então deixar de lado as condenações moralista – inócuas – do narcisismo. Elas são antigas e apresentam escasso interesse teórico. O problema que merece a nossa preocupação é outro: é aquele que se manifesta no efeito conservador da autocomplacência, que coagula o movimento auto-renovador da consciência, enrijecendo-lhe o ímpeto criativo e a abertura para o novo.

É provável que a estrutura da mente humana seja muito mais conservadora do que costumamos reconhecer. Renovar-se, reformular suas idéias, modificar seus valores, é operação dolorosa e arriscada. Quem parece realizá-la com alegre desenvoltura é o espírito frívolo, superficial e sem raízes, que está sempre disposto a acolher as novidades porque na realidade não as assimila (já que não assimila profundamente coisa alguma). Quando a vida obriga o ser humano a mudar os critérios e valores a que ele já tinha se acostumado e nos quais fundara a sua segurança, é natural que ele se angustie. Os próprios neuróticos, embora sofram, se agarram à neurose, porque têm medo de cair em um sofrimento ainda maior.

Nossas sociedades fragmentadas, divididas em grupos, em classes, em nações, em blocos de Estados, tornam muitíssimo mais difícil uma tarefa que por si mesma já é extremamente espinhosa: a de conhecermos as camadas mais profundas da realidade em que vivemos, penetrando gradualmente na essência mais significativa dos fenômenos, enxergando as coisas de um ângulo verdadeiramente universal, quer dizer, comum à humanidade como um todo. A humanidade está dilacerada, os indivíduos não sabem como agir para se tornarem uma encarnação dela. Não sabem o que há de mais universal neles. E isso contribui para que eles desistam da universalidade e se resignem a ser facciosos, unilaterais.

Sofremos todos a brutal pressão decorrente desse quadro, dessas condições. No entanto, volta e meia, no esforço para mudar o mundo, sentimos necessidade de nos unir a outros seres humanos em torno de princípios, que, por definição, precisam ser universais. Como superar o estreitamento dos nossos horizontes, provocado pelo mercado hipercompetitivo, que nos joga constantemente uns contra os outros? Os mecanismos do mercado forçam as pessoas a buscar lucros cada vez maiores, a disputar um lugar de trabalho melhor remunerado, ameçam-nas com o desemprego e a miséria, intimidam-nas com a falência; além disso, disseminam a insegurança e produzem a cristalização não só dos interesses materiais como dos modos de sentir e de pensar. Fortalece-se, nas criaturas, a exigência de forjar álibis.

Marx e Freud descobriram aspectos decisivos da ação das forças que atuam subterraneamente em nós e mostraram que, sob uma capa de “racionalidade”, elas impõem limites aos movimentos da nossa consciência. Mostraram como esquemas explicativos são elaborados e reelaborados em nossas cabeças com a finalidade de nos proporcionar a “boa consciência”, com o objetivo de amenizar nossas dúvidas, atenuar nossas inquietações e evitar a vertigem das nossas inseguranças.

Forjamos para nós imagens que nos ajudem a viver; e nos apegamos a elas. O autoritário se apresenta como “enérgico” e “corajoso”; o oportunista como “prudente” ou “realista”; o covarde como “sensato”; o irresponsável como “livre”. Não existe nenhuma tomada de posição no plano político ou filosófico que, por si mesma, imunize a consciência contra a ação desses mecanismos. Somos todos divididos, contraditórios. Por isso mesmo, precisamos promover discussões, examinar e reexaminar a função interna das nossas racionalizações. Quer dizer: precisamos realizar permanentemente um vigoroso esforço crítico e autocrítico.

A autocrítica é de uma importância decisiva. É por ela que passa o teste da superação do conservadorismo dentro de nós. Um conservador – é claro – pode fazer autocrítica; mas, se a autocrítica for feita mesmo para valer, ele seguramente não estará sendo conservador no momento em que a fizer.

Desde que consiga se instalar solidamente na consciência de alguém, o conservadorismo pode administrar uma grande flexibilidade: pode suportar com tolerância liberal as opiniões divergentes, até as provocações e irreverências alheias. Mas não pode se permitir o autoquestionamento radical.

George Bernard Shaw, que conhecia a significação da autocrítica, disse uma vez que o erudito era um homem que se valia de seus conhecimentos para criticar os outros, ao passo que o sábio era um homem que se criticava a si mesmo. No sentido que Shaw atribuiu à palavra, Marx era um sábio, porque não se limitou a criticar os outros, mas também cultivava – e como! – a autocrítica. Embora suas idéias sirvam de base para as certezas de milhões de militantes que invocam seu nome, Marx declarou a sua filha que, se tivesse de adotar um lema, seria a frase latina que recomendava duvidar de tudo: de omnia dubitandum. Ao completar cinqüenta anos de idade, numa situação de extrema pobreza, Marx escreveu para Engels uma carta (30.04.1868) na qual ria de sua própria incompetência para ganhar dinheiro: “Como minha mãe tinha razão quando dizia ‘o Karl defia saper kanharr o capital (enfez de eskreferr sopre ele)’...” (Marx imita jocosamente na carta a pronúncia de sua mãe). Em outra carta para o mesmo amigo de sempre concordava com uma observação de sua mulher, Jenny, que assegurava que, embora vivessem muito mal, após a vitória da revolução o casal passaria a viver pior, porque “teria o prazer de ver todos os charlatães comemorarem o triunfo deles.“ (11.12.1858). Marx não excluía a priori a hipótese de estar fazendo, em determinadas situações, papel de bobo.

Esse espírito autocrítico está presente também em Engels e em alguns marxistas de épocas posteriores, com Gramsci e Walter Benjamin. Ele assume traços de ascetismo nos anos “heróicos” do leninismo “puro”, mas se deteriora na ação dos partidos comunistas colocados sob a liderança de Stálin. A autocrítica se desmoraliza, deixa de ser um ajuste de contas do indivíduo consigo mesmo e é delegada à mecânica das agremiações: o militante faz a autocrítica que a direção do partido lhe impõe.

Agora, com os impasses com que se defronta o movimento comunista, com a ampla exigência de uma renovação do marxismo (no espírito de Marx), estão sendo criadas condições para que também os comunistas reaprendam o sentido da genuína autocrítica.

A verdadeira autocrítica exige uma espécie de “complementação negativa” para o curriculum vitae: depois de apregoar seus êxitos e seus méritos, a pessoa enfrenta o desafio de reconhecer suas frustrações, suas deficiências, seus fracassos, suas fraquezas. Talvez possamos chamar essa reconstituição dolorosa e necessária de curriculum mortis. Os indivíduos mais gravemente contaminados pela ideologia “triunfalista” que se manifesta no curriculum vitae carecem de sensibilidade, de madura lucidez e de coragem intelectual para a elaboração desse curriculum mortis. Eles agem como aquele político conservador que, numa entrevista, respondendo a uma pergunta sobre o maior erro que admitia ter cometido, explicou à estarrecida jornalista: “Meu maior erro tem sido o de dizer as coisas antes de todo mundo, cedo demais, quando os espíritos ainda não estão preparados para compreendê-las; isso desencadeia uma reação muito forte contra o meu pioneirismo.” Num passe de mágica, a autocrítica se transforma em auto-elogio.Em nossos tempos de desconfiança, esses lances de prestidigitação tendem a surtir cada vez menos efeito. E, mesmo quando ainda conseguem iludir alguns incautos, eles trazem para os mistificadores talentosos vantagens precárias, pelas quais o mágico, afinal, acaba pagando, humanamente, um preço mais elevado do que supõe. Querendo ou não, cada um de nós caminha inexoravelmente para a morte (e o prestidigitador não escapa a esse destino). Reconhecendo francamente nossos fracassos, elaborando nosso curriculum mortis, assumindo autocriticamente os momentos “noturnos” em que vamos morrendo aos poucos, aumentamos as nossas possibilidades de nos conhecermos e de nos aperfeiçoarmos espiritualmente; e, de certo modo, esse talvez seja o único caminho possível de preparação para o fim pessoal inevitável. Quem insiste em se iludir, na realidade, está optando por enfrentar despreparado todas as dores que lhe vão desabar em cima, na hora da desilusão. Os indivíduos que conseguem se elevar a um ângulo mais universal e conseguem discernir com clareza as limitações do ser particular deles e, em princípio, devem estar em condições menos ruins para se defrontar com a morte (já que são capazes de reconhecer algo – a humanidade, Deus – acima de suas individualidades; e esse algo não morre).

A abordagem do tema da morte, aqui, pode parecer surpreendente; os marxistas não costumam escrever a respeito desse assunto (e há quem alegue, com alguma ligeireza, que a omissão se deve ao fato de eles se ocuparem preferencialmente dos problemas da vida). Na verdade, a compreensão de alguns dos problemas da vida só pode se aprofundar se nos dispusermos a refletir também sobre a morte, E há um precedente da maior importância na reflexão dialética sobre a morte; ele se encontra na Fenomenologia do Espírito, de Hegel.

Nesse livro, Hegel estuda – num nível notoriamente abstrato – o movimento da consciência, que parte da percepção sensível, imediata, e caminha para o que ele chama de saber absoluto. Em sua trajetória, a consciência assume diferentes figuras. A quarta figura desse itinerário é a autoconsciência e a quinta é a razão. Pois bem: para passar da autoconsciência à razão, é preciso pensar a fundo a questão da morte.

Para Hegel, a autoconsciência é uma figura na qual a consciência analisa as coisas, vai completando seu campo de entendimento, mas tende inevitavelmente a se encerrar em si mesma, a excluir o novo, a deixar de fora o negativo; ela tende então a se encastelar numa positividade enrijecida. Na medida em que sente necessidade de avançar, a consciência precisa, por conseguinte, superar essa figura; precisa se desembaraçar da sua segurança artificial, vencer seu medo, encarar o negativo. E a forma universal do negativo é, precisamente, a morte.

A conquista da razão, portanto, depende – segundo Hegel – da capacidade que a consciência venha a adquirir de olhar a morte de frente, aproximar-se dela, permanecer junto dela, conviver com sua presença assustadora (em vez de contorná-la e fingir que ela não existe). Só assim a consciência consegue se enriquecer, assumindo seriamente seus limites, incorporando – dolorosamente – a dimensão do negativo à sua compreensão do mundo e de si mesma. “O Espírito” – lê-se na Fenomenologia do Espírito – “só conquista a sua verdade quando é capaz de se encontrar a si mesmo na mais absoluta dilaceração”.

Essa indicação preciosa se perdeu, na história das lutas travadas pelos herdeiros da dialética hegeliana. A consciência dos marxistas, com o tempo, começou a apresentar sintomas daquela positividade enrijecida a que se referia o autor da Fenomenologia do Espírito. Difundiu-se uma concepção simplificadora, maniqueísta, da revolução: em rígida contraposição à “corrupção” burguesa, as organizações revolucionárias eram levadas forçosamente a exagerar sua “autenticidade nuclear”, sua “justeza fundamental” (minimizando conseqüentemente todas as deformações internas, todas as graves anomalias que se verificavam em seu interior). A genuína autocrítica definhou, o “triunfalismo” se impôs. Os revolucionários foram envolvidos por uma ideologia que não lhes cobrava maior empenho em crescerem porque os convencia de que já eram bastante grandes; uma ideologia que não os pressionava no sentido de indagarem mais a respeito das coisas e deles mesmos, porque lhes sugeria que eles já tinham as respostas essenciais.

Mas a história se rebelou contra os que proclamavam seus direitos sobre ela. A prática desmoralizou a teoria que se considerava sua carcereira e fugiu por todas as janelas. E o revolucionário foi obrigado a constatar, como qualquer homem comum, que a morte o está devorando a cada momento. Volta a se colocar, então, em nome da vida, a necessidade de incorporar o negativo à consciência. Através da autocrítica. Ou – se a expressão em latim não lhes parecer muito rebarbativa – através do curriculum mortis".

8 comentários:

  1. Esse, sem dúvida, é o seu texto mais lúcido, fortemente acadêmico por vezes, mas cortante ainda assim. Senti falta da virtuose imagética, as facadas que eram sua principal característica; a força do texto está na profunda construção racional e prática - mas não prosaica - dos parágrafos. Achei interessante, e me parece um texto de cisão. Uma punhalada de mundo. Não se parece com nada que já li sob sua assinatura. E, como sempre, extremamente bem escrito, parabéns! R.A.P.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Sr. R.A.P.!

    Estou bêbado no momento :-), mas ainda consigo minimamente dizer o seguinte: volte ao início da postagem, meu velho, e confira: o texto não é meu. É do Leandro Konder.

    Agora vou dormir.

    Abraço,

    Flávio Ricardo

    ResponderExcluir
  3. Oh, irmão, falha minha! Isso é que dá querer dobrar o tempo, já fui direto para as letras garrafais, e nem estava bêbabo como você (risos). Fico feliz então que não seja texto seu. Sou afeito a mergulhos mais viscerais. Abraço! Raul.

    ResponderExcluir
  4. Flávio,

    Eu percebo neste texto de Konder, assim como em textos de outros autores (inclusive os seus) publicados no seu blog, um elemento comum: a anti-autoajuda.

    Pra mim, enquanto a autoajuda é uma ilusão, a anti-autoajuda é fundamental para nossa autocrítica.

    Vivemos num mundo caracterizado por um tipo de necessidade: a de obter reconhecimento.

    Eu pergunto: como escapar a isso?

    Por mais que sejamos críticos, todos nós almejamos reconhecimento (inclusive o próprio Konder, senão ele não assinaria os textos que escreve).

    Outra questão que me surge é: o espírito autocrítico depende apenas de nós mesmos?

    É como se fossemos autosuficientes (aliás, quem lê autoajuda acredita estar promovendo uma autocrítica [claro que, nesse caso, a "autocrítica" visa o autoengrandecimento pessoal]).

    O espírito autocrítico nosso não depende da crítica do outro?

    Não me refiro ao tipo de crítica em que um se afirma ao negar o outro, mas sim à crítica na qual a crítica do outro é o elemento impulsionador da autocrítica.

    Konder nos diz que, para uma verdadeira autocrítica, é importante complementar negativamente o curriculum vitae com o curriculum mortis.

    E como ficam as pessoas que 'incorporaram na alma' o estigma de derrotados, que não tem um curriculum vitae e possuem apenas o curriculum mortis?

    Abraço,

    Luciano.

    ResponderExcluir
  5. Fala, Luciano!

    Não é a primeira vez que digo isso por aqui, velho, e também não é a primeira vez que sinto essa reconfortante sensação: é muito bacana essa sensação dialógica de ser surpreendido pelo pensamento alheio.

    Luciano, seu comentário é um dos mais argutos e provocativos que já apareceram aqui pelo Subsolo das Memórias.

    Achei especialmente agudo o seguinte fragmento: "Não me refiro ao tipo de crítica em que um se afirma ao negar o outro, mas sim à crítica na qual a crítica do outro é o elemento impulsionador da autocrítica".

    Acabo de ler uma bela biografia de Stálin, Luciano - Stálin: a corte do czar vermelho, de Simon Sebag Montefiore -, e as palavras do seu fragmento me aparecem com uma ironia tingida de muita dor. Será possível esse diálogo de imbricação entre o eu e o tu, de modo que não haja uma identidade unívoca, mas um entre si? Não sei, meu amigo, não sei. Mas os julgamentos stalinistas nos dão uma pista sobre a degenerescência da utopia que drenou muitos e muitos sonhos - só restava a vigília à noite, velho, antes de os agentes do NKVD baterem a porta com a ponta perfurocortante dos coturnos.

    E você ainda pergunta: "E como ficam as pessoas que 'incorporaram na alma' o estigma de derrotados, que não tem um curriculum vitae e possuem apenas o curriculum mortis?"

    Pois é, Luciano, duríssimo. Como elas ficam? O capitalismo sublima a face do algoz. Elas sobre e subvivem. A quem e ao que culpar? Aos números deificados do sobe e desce das bolsas?

    Moisés levou 40 anos para cruzar o deserto com os judeus em diáspora contra a dominação egípcia. Cristo ficou 40 dias no deserto para se digladiar com as tentações. O afastamento pressupõe não o desligar-se, mas o aproximar-se do que nos é mais próprio justamente pela falta que o calor rente nos faz. (Autocrítica). Mas o que fizeram os sequazes de Moisés quando o profeta subiu ao Monte Sinai? E que fez Cristo ao não descer da cruz? A mudança, Luciano, a mudança.

    A sua pergunta é tão dilacerante, meu velho, que ela tende muitas vezes a desdobrar as lágrimas - e o ressentimento. O problema é que oportunistas geniais - como Stálin e Hitler - souberam muito bem canalizar a frustração com vistas a dominação - dos próprios sujeitados, ora, com vistas à opressão de um OUTRO.

    Será possível deter a Fortuna de Talião?

    Grande abraço, meu velho,

    Flávio Ricardo

    ResponderExcluir
  6. Olá Flávio!

    Estou muito feliz por ter gostado dos comentários!

    O pouco de conhecimento que tenho (não o tipo de conhecimento cumulativo, mas o conhecimento dialético, em que o novo choca-se com o velho e produz uma síntese) resulta do contato, direto ou indireto, com as pessoas que cruzaram minha vida, inclusive você.

    Você perguntou: "Será possível esse diálogo de imbricação entre o eu e o tu, de modo que não haja uma identidade unívoca, mas um entre si?"

    A obra Pedagogia do Oprimido (que você provalvemente já tenha lido) , de Paulo Freire, problematiza esta e outras questões (como a do curriculum mortis).

    Por outro lado, conforme você colocou, o afastamento também produz conhecimento (crítica ao mundo que nos cerca e autocrítica).

    Desejo a você também sucesso no seu curriculum vitae!

    Abraço,

    Luciano

    ResponderExcluir
  7. ... mas em que camada mesmo da realidade se escondia este blog? muito rico. Saudações, Lana.

    ResponderExcluir
  8. Olá, Lana!

    Seja muito bem-vinda ao Subsolo das Memórias!

    Em que camada da realidade se escondia este blog? O fato é que você o trouxe à tona :-)

    Me escreva no seguinte email, Lana: within_emdevir@yahoo.com.br. Daí você me manda o seu email, moça, e fará parte do meu mailing list semanal.

    Um beijo, muito prazer em "conhecê-la",

    Flávio Ricardo

    ResponderExcluir