Antes de içar a lâmina, o algoz suplica ao condenado: "Você me perdoa?"

I want you for U.S. Army

domingo, 7 de março de 2010

Where the rainbow ends

Foto: Magali Pestana Carrillo
Bochechinhas fustigadas pelo vento. Pele terrosa. Hipnose: algodão doce verde, hirto, as folhas e o céu da boca, azul, vizinho das montanhas, às costas do papai, cume nevado, chuva em flocos, lânguida, arco-íris, o gorro e a paleta de Magali: a íris Objetiva cerra as pálpebras e os olhos tocam as cores em silêncio, o sussurro a colorir. Where the rainbow ends.

Magali e suas Espaldas Libres


"Los rostros interactúan entre si en un círculo conocido por sus demás rostros, dentro de un mundo equilibrado. Al salir de éste se observan desvanecer retrocediendo al mismo punto de origen. Lo que no saben es que atrás, en aquel lugar desconocido, estarán siempre sus espaldas observándolos - irrealmente esclavos -, y hablando solos".
Para que continuemos a acompanhar os belíssimos ensaios fotográficos de Magali, sigamos suas Espaldas Libres ao longo das alamedas de Cusco: http://magalipestana.blogspot.com/

9 comentários:

  1. Em uma palavra que, a meu VER, funde fotexto:

    LÚDICO.

    ResponderExcluir
  2. Momentos labirínticos, marginais e fluidos que me lembram as imagens das alamedas baudelairinas - o flâneur algo blasé que percorre os interstícios e tenta capturar um olhar diáfano, um "beijo lábil".
    A folha-algodão doce me fez sorrir. As cores me impressionaram de pronto. Magali é muito singela - a epígrafe espanhola é também labiríntica. Magali tem um sorriso singelo e amigável, a mala prenuncia o clique fotográfico, o curso daquela que quer prosseguir, A Viandante.

    ResponderExcluir
  3. Eu tinha 6 anos. Meu pai me segurava no colo. Eu tocava o teto de folhas verdes, fungos cinzas, água espraiada a amarelar. Meu pai perdeu o tino naquela felicidade colorida, me jogou pro alto, um choque roxo, ele logo branco. Filhinha, filhinha! Mas algum dia passa, papai? Tá doenu muitu, algum dia passa, papai? Passa logo, filhinha, passa logo. Passa como o beijo do algodão doce. É o doce que a gente sente e já vai embora. O açúcar até rasga a língua. Papai iria embora. A verdade ao amanhecer: aos 6 anos, descobri que haveria a morte.

    ResponderExcluir
  4. Bochechinha vermelha de tanto apertar :-))

    ResponderExcluir
  5. Magali,

    Teu sorriso é gentil e sereno como um toque de olhos fechados.

    ResponderExcluir
  6. Anatomia da Melancoliaquarta-feira, 10 março, 2010

    O único problema do arco-íris é que, ainda que colorido, ele mimetiza o reverso do sorriso.

    ResponderExcluir